sábado, 11 de janeiro de 2014

O Cavaleiro de Westeros e outras histórias - George R. R. Martin




Sinopse
Cerca de um século antes dos eventos narrados em A Guerra dos Tronos, um jovem escudeiro parte em busca de fama e glória num dos mais famosos torneios de Westeros. Mas o destino prega-lhe uma partida e coloca-o no caminho de um rapaz misterioso que irá mudar a sua vida para sempre. A não perder para os fãs da melhor série de fantasia da atualidade.

O Cavaleiro de Westeros abre esta coletânea com os melhores contos de George R. R. Martin. Nela encontrarão também uma cidade dominada por uma elite de lobisomens, onde ocorrem horrendos acontecimentos; um magnata excêntrico com gosto por espécies exóticas que vai ser confrontado com o que não esperava; um padre em crise de fé num mundo distante; uma mulher que vasculha universos em busca do amor perdido; ou um homem que se vê confrontado com a derradeira escolha, num mundo em que o fim da vida não equivale necessariamente à morte. Dez histórias nascidas da imaginação do criador de As Crónicas de Gelo e Fogo.

Comentário:
Este livro, constituído por diversos contos, na sua maioria, escritos na juventude de Martin constituem um belo testemunho da primeira fase de afirmação deste escritor de enorme sucesso. Aliás, tão importantes como os contos são as introduções que o escritor faz, onde nos revela peripécias muito interessantes da sua juventude, num bairro modesto nos arredores de Nova Iorque.
Muito interessante, por exemplo, a humildade do autor na veneração que diz nutrir pelo grande mestre Tolkien, já nessa altura o grande mentor de escritores do fantástico.
Os contos que aqui se apresentam são bastante variados no que toca à temática e ao estilo. Na verdade, ao longo de quase todo o livro manifesta-se um deambular constante entre oi fantástico de raiz histórica e a ficção científica. Sendo este domínio o mais apreciado na época é nítida no entanto a maior vocação de Martin para o terror e o fantástico.
Pessoalmente, parece-me bem mais conseguida a fantasia histórica de onde se destaca, sem dúvida, o conto que dá nome ao livro: O Cavaleiro de Westeros.
Mesmo no que respeita à ficção científica, Martin nunca põe de parte uma visão humana das narrativas; por exemplo em “Uma canção para Lya” é notável como Martin antevê aquele que é um dos aspetos mais perturbadores da visão que podemos ter do futuro: a capacidade para ler os pensamentos e os sentimentos dos seres humanos. Assustador, mesmo. Este toque de realismo é, a meu ver, a característica distintiva desse género que sinceramente não aprecio, a ficção científica. Mesmo assim, há pormenores notáveis na mensagem de alguns contos, como por exemplo em O Caminho da Cruz e do Dragão, onde a mentira é vista como a perfeição. Afinal, todas as religiões se baseiam em mentiras mas apenas aquela seita, os Mentirosos, assumem tal condição. É inevitável, aqui, a referência a Maquiavel, em que a arte da política se baseia na capacidade de oferecer ao povo as mentiras com que este deseja ser enganado.
No que respeita ao fantástico, chega a ser encantadora a evocação do passado, mais especificamente do imaginário medieval presente em O Cavaleiro de Westeros.
Finalmente, um destaque muito especial para Reis de Areia: um conto magnífico. Trata-se de uma espécie de fábula sobre a natureza da guerra. Toda a estória está cheia de simbolismo sobre os senhores da guerra e como eles manipulam os mais modestos dos seres, transformados em máquinas de matar.
Enfim, um livro revelador de muitas das facetas desconhecidas de Martin, um escritor que sempre rejeitou rótulos: ele não é o mestre do fantástico nem da ficção científica ou do horror; ele é apenas o escritor de “coisas esquisitas” como dizia o seu pai.

Enviar um comentário